sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Almas alinhadas

Riso

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Me perco no silêncio que te pertence,
te escondo em meio aos meus segredos,
aos seus olhos minhas manhãs se iluminam,
alguns desejos ficam, nem tudo consigo dar.

Sou dono, parte inteira da sua vida,
te pertenço, sou a paixão que descontrola,
te sirvo pedaços de amor em forma de carinhos,
me atrevo, não fujo entre abraços e me dou.

Olho fixo no seu rosto e me vejo,
mudamos as almas, tomamos uma do outro,
tatuamos paixão ao redor de tudo nosso,
a pele ainda é a mesma, com outras marcas.

Os gritos incontidos foram da garganta,
as mãos estão livres para acarinhar,
braços são presos somente entre afagos,
confissões, juras, tudo puro e verdadeiro.

Não existem mais distâncias entre sentimentos,
as carícias não mais desaparecem nos corpos,
tateio nossos sentidos e rogo por mais,
pareço insaciável, outras vezes indefeso.

Faltam sempre dias e noites em meus planos,
quero seu corpo sereno para eu aquecer,
o colo vazio onde cabe meu tronco nu,
a boca sedenta de tudo que te sirvo em meu êxtase.

Pertenço-te das formas e jeitos que desejar,
te dou, oferto, roubo seus desejos mais loucos,
não deixo nenhum vestígio dos seus sonhos,
realizo meus e seus prazeres, como e onde pedir.

Combinamos amar, desejar ou só ficar junto,
mudamos os destinos no meio do caminho,
tornamos amantes, servos dos corações,
alinhamos as almas em uma direção e seguimos.

Caio Lucas

Sem comentários:

Enviar um comentário