domingo, 29 de dezembro de 2013

Quero despir-te letra a letra

4

Quero despir-te letra a letra
e correr teu corpo palavra a palavra
Amar-te sem te ver e sem tu saberes
sentes apenas a brisa quente de Verão
a chuva fria de Inverno
e o teu corpo renasce nos meus carinhos
como se fosse Primavera
no fim da noite será Outono em ti
Mas por agora as minhas letras...
juntam beijos suaves que se perdem
nessa tua pele arrepiada
meus dedos, palavras desconcertadas
entram na tua intimidade
descobrindo teu mundo encantado
e naquele momento que o dicionário todo
não chega para descrever êxtase que sentes
sou eu que me dou no meu poema
esqueço que sou gente
mergulho na tua essência
e desfaço-me em milhões de emoções
que só tu alcanças.
Uma e outra vez letra a letra
componho para ti
todas as palavras que falam
de Amor e não preciso
que te lembres de mim
porque moro em ti .

Ana Moncado

Sonhava-te

Nuvens (2)

Ansiava ir dormir para te encontrar

refugiar-me do dia no teu olhar

era mais lindo que o luar e as estrelas.

Contava-te o meu dia e riamos muito.

Queria muito mais de ti,

queria dentro da minha realidade.

Andar de mão na mão nos jardins de verdade,

descer das nuvens e pisar a teu lado o chão.

Um atirei uma moeda para dentro de um poço

e o meu desejo realizou-se.

Eras carne e osso, eras gente !

Mas o teu sorriso perdeu a graça

as tuas mãos já não tinham magia

e as tuas palavras não me diziam nada.

Meu sonho virou pesadelo

Meu dia virou noite...

Ansiava pelo sono para não te ver.

Voltei ao poço dos desejos

mergulhei e agarrei a moeda maldita.

Sumiste nessa mesma tarde

sem te despedires e sem chorar.

Respirei o dia, apreciei o por do sol

e quando a lua se pendurou

na janela adormeci.

Acordei dentro daquele sonho

e vi-te lá ao fundo de pés pendurados

numa numa nuvem.

Sorriste-me e eu sorri também,

já não tinhas sombra de realidade

mas os teu olhos falavam

a verdade que eu queria ouvir

deixei-me ir no sonho

dançamos e conversamos muito

num abraço pedi-te

para nunca mais

voltares a ser realidade.

Ana Moncado

 

Educar Com os Olhos–Rubem Alves

Quando a gente

abre os olhos,

abrem-se as

janelas do corpo,

e o mundo aparece refletido dentro

da gente

Rubem Alves

Os conhecimentos nos dão meios para viver. A sabedoria nos dá razões para viver.Rubem Alves

A educação se divide em duas partes:

educação das habilidades

e educação das sensibilidades...

Sem a educação das sensibilidades,

todas as habilidades

são tolas e sem sentido.

Sem a educação

das sensibilidades,

todas as habilidades

são tolas e

sem sentido.

Rubem Alves

Borboleta (2)

Borboletas são livres.

Minha alma também.

Anseio liberdade, beleza e amor

De ir, vir e sentir.

Paixão, ar, calor.

Preciso criar...

Voar…

Carolina Salcides

Há um pássaro

Que é voar?
É só subir no ar,
levantar da terra o corpo, os pés?
Isso é que é voar?
Não.
Voar é libertar-me,
é parar no espaço inconsistente
é ser livre, leve, independente
é ter a alma separada de toda a existência
é não viver senão em não-vivência.
E isso é voar?
Não.
Voar é humano
é transitório, momentâneo...
Aquele que voa tem de poisar em algum lugar:
isso é partir
e não voltar. 
Ana Hatherly

sábado, 21 de dezembro de 2013

7

 

 

 

 

 

 

 

Queria que estivesses aqui.

Arte1

Queria que estivesses aqui,
no meio disto tudo o que eu queria era que estivesses aqui,
o teu olhar, as tuas mãos a apertarem-me o medo, a dissolverem-me a ansiedade.
Mãos que apertam o medo, que dissolvem a ansiedade:

Pedro Chagas Freitas

sábado, 7 de dezembro de 2013

Minha amada, para mim estás sempre bonita :-) ♥

Flores

estás tão bonita hoje. quando digo que nasceram
flores novas na terra do jardim, quero dizer
que estás bonita.

entro na casa, entro no quarto, abro o armário,
abro uma gaveta, abro uma caixa onde está o teu fio
de ouro.

entre os dedos, seguro o teu fino fio de ouro, como
se tocasse a pele do teu pescoço.

há o céu, a casa, o quarto, e tu estás dentro de mim.

estás tão bonita hoje.

os teus cabelos, a testa, os olhos, o nariz, os lábios.

estás dentro de algo que está dentro de todas as
coisas, a minha voz nomeia-te para descrever
a beleza.

os teus cabelos, a testa, os olhos, o nariz, os lábios.

de encontro ao silêncio, dentro do mundo,
estás tão bonita é aquilo que quero dizer.

José Luis Peixoto

 

Esta noite é líquida
nos meus olhos esvaziados
de rumores e saudade.
Fixo o farol e a luz
da vida cúmplice.

Como as gaivotas parto

e regresso
porque este areal é meu.

Nem os búzios perdidos

nas águas profundas me podem
chamar com cânticos e brilhos.

Sou ilha e barco,

tu a margem que espera.

Parto com os ventos.

Lília Tavares