domingo, 4 de novembro de 2012

As gotas de água salgada escorriam pelo teu rosto

 

Marco Rubiero-2As gotas de água salgada escorriam pelo teu rosto. Começando na testa e descendo, lentamente, como que a beijar cada curva, cada saliência dessa face bonita, tranquila...

Dos teus olhos explodiam brilhos de desejo. Como eu nunca tinha visto.

Mais do que todas as outras vezes... Muito mais!

Tinhas o cabelo molhado. Diria que chegavas de uma longa caminhada à chuva.

Mas não, estiveste sempre ali do meu lado.

Eu, tu e uma lua magnifica que iluminava os nossos corpos.

Todos os teus poros transpiravam suor, paixão, loucura e fundiam-se com os meus que clamavam incessantemente por ti.

Fomos uma só, de novo.

Experimentámos, sem tabus, o desejo intenso que guardamos dentro de nós...como um segredo irrevelável, proibido, que se mostra sempre que o destino nos confronta.

Nem sei quanto tempo assim estivemos, juntas, à luz da Lua... Mas lembro-me de sentir a tua pele macia... lembro-me de ouvi-la respirar... transpirar. Lembro-me do cheiro intenso- do nosso cheiro.

Do teu odor que levei comigo, assim como de mim levaste os aromas, os sons, os olhares.

Memórias de um momento de fusão... um momento de corpos suados, molhados...

que se despediram de novo ...talvez, até à próxima Lua Cheia.

Minha Estrela

Imagem de Marco Rubiero

2 comentários:

  1. Belíssimo texto!
    Imagens e sentimentos em uma fusão perfeita retratadas em suas frases bem elaboradas.
    Grande abraço e sucesso!

    ResponderEliminar
  2. Querido Evandro, agradeço o carinho:-)
    A autora do poema é Minha Estrela.
    Beijos

    ResponderEliminar